Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O blog menos invisivel

O blog menos invisivel

05.Jun.14

...

A Relíquia (BI.070)

Romance saído em folhetins na Gazeta de Notícias, cuja epígrafe se tornou célebre - "Sobre a nudez forte da verdade, o manto diáfano da fantasia" - por sintetizar a aliança entre realismo e imaginação, naturalismo e fantástico, patente na obra.
Fernando Campos

Author profile


born
in Águas Santas (Maia), Portugal 
April 23, 1924

gender
male

genre


About this author

FERNANDO DA SILVA CAMPOS nasceu em Águas Santas, Maia, a 23 de Abril de 1924. Licenciou-se em Filologia Clássica na Universidade de Coimbra, vindo a trabalhar como professor do ensino secundário no Liceu Pedro Nunes. Para além de algumas obras didácticas e pequenas monografias de carácter etimológico, é autor do romance histórico A Casa do Pó (Prémio Literário Município de Lisboa, 1986), que o consagrou, inspirado na figura de Frei Pantaleão de Aveiro, na linha de uma tradição romanesca que vem do século XIX. Depois das novelas O Homem da Máquina de Escrever (1987) e Psiché (1987), publicou o ensaio etnográfico Portugal (1989) e os romances O Pesadelo de dEus (1990), de carácter fantástico, regressando à inspiração histórica com A Esmeralda...more


“Estava o estômago no mais activo de sua chilificação. Havia uma insólita claridade no meu espírito. Nenhum devaneio dos que arrombam poetas em ermos e sombras me perturbava o cozimento das pingues substâncias em que abundara o jantar. As minhas meditações eram pachorrentas, terra a terra, sem enlevos que me deslocassem da felicidade do momento para que transportarem ao passado, onde estava a saudade, ou ao futuro donde me podia estar mentido a esperança”
― Camilo Castelo BrancoCoração, Cabeça e Estômago

O Rossio

by 
5.0 of 5 stars 5.00  ·  rating details  ·  3 ratings  ·  0 reviews
"A mais conhecida praça de Lisboa é, também, a sua primeira sala de visitas. Ao longo dos séculos, o Rossio emergiu das águas, abrigou edifícios de nobre traço e macabro destino. A história visitou-o muitas vezes; o povo enfeitou-o, os reis elegeram-no, os mártires atravessaram-no rumo à morte ou à liberdade, O fogo baptizou-o ciclicamente: aqui, onde as águas dos rios subterrâneos se cruzam, o destino passa deveras." (from Marina Tavares Dias editor's forward)

Coisas Que Só Eu Sei (BI.068)

"'Cousas Que Só eu Sei', que editamos em ortografia actualizada, foi originalmente publicado em 1853, no jornal 'político e industrial', O Portuense, em que Camilo colaborou regularmente até 1854." - da nota introdutória

Incognita

Returning to Florence on the occasion of his 18th birthday, Aurelian—together with his sworn companion Hippolito—dons his disguise in anticipation of the most famous Florentine ball. Once there, the two are soon separated, and each finds himself paired off with a beautiful—and masked—woman. While Aurelian yearns to learn the true identity of his “love,” Hippolito is mistaken for another and brazenly plays along with the conceit. Chaos abounds as masks are dropped, truth revealed, and, somehow, all ends happily. Dramatist and novelist William Congreve is best remembered for his comedy The Way of the World.

The Last Day of a Condemned Man

by 
Deeply shocking in its time, The Last Day of a Condemned Man is a profound and moving tale and a vital work of social commentary. A man vilified by society and condemned to death for his crime wakes every morning knowing that this day might be his last. With the hope for release his only comfort, he spends his hours recounting his life and the time before his imprisonment. But as the hours pass, he knows that he is powerless to change his fate. He must follow the path so many have trod before him—the path that leads to the guillotine